fbpx
Bruxaria

Guia de Estudos para Dedicação a Bruxaria

Olá, seja bem-vindo ao nosso refúgio de estudos.

Apesar das coisas horríveis e imagem confusa que a bruxaria adquiriu durante séculos, ela é um caminho religioso muito bonito e encantador. Para começar devemos deixar de lado nosso pré-conceito e entendermos que depois de tantos anos de perseguições a bruxaria se tornou uma “religião” mais fechada, que não se expõem muito, apesar disso estar mudando nos tempos atuais (louvada seja a Deusa rs)!

O que é Bruxaria?

Muitos enxergam a bruxaria um filosofia de vida, outros a consideram uma religião. A melhor definição que podemos considerar é que a bruxaria pode ser compreendida como um caminho religioso, ao qual nos dedicamos a resgatar os conhecimentos antigos de nossos ancestrais. A palavra “bruxa” vem do grego “brouchos”, que significa larva de borboleta, ou seja, a bruxa é aquela que passa por uma metamorse interna/externamente até encontrar a luz.

O que preciso fazer para me tornar um bruxo(a)?

A resposta é bem simples: Estudo e dedicação, a bruxaria é um caminho constante  a ser trilhado, ou seja, você nunca para de aprender. Todos os dias descobrimos coisas novas, que colocamos em prática ao longo da vida. É importante lembrar que esta jornada é um forma de religação com o mundo espiritual, a bruxaria é um culto a natureza e aos Deuses antigos. Não existem igrejas na qual se querem ganhar seguidores, a magia é algo individual, é uma relação sua com os Deuses. Para todo bruxo a natureza é sagrada, é dela que tudo nasce, se desenvolve e morre, assim é nosso dever cultua-lá e preserva-lá. Para entender melhor como tudo isso funciona continue lendo as informações abaixo.

O que é Paganismo e Neo-paganismo?

Paganismo

No início da humanidade, durante o período do paleolítico (Idade da Pedra Lascada) o homem tinha uma relação direta com a natureza, os seres humanos eram organizados em tribos e para garantir sua sobrevivência era necessário compreender e viver em meio a ela. Dessa forma a natureza era considerada uma grande divindade, pois ela provia o alimento e garantia a vida. Com o desenvolvimento da humanidade, essas deidades também foram mudando e novos cultos e deuses foram surgindo, assim como o ser humano evoluía, a forma como ele pensava e compreendia o mundo a sua volta também mudava. A palavra “pagão” provém do latim paganus, cujo significado é “camponês”, “aquele que veio do campo”. Ou seja, aqueles que respeitavam e cultuavam a natureza como uma grande divindade provedora de vida. Com o passar do tempo e o surgimento do cristianismo o termo passou a caracterizar a todos que não seguiam as religiões cristãs, sendo considerados infiéis e pecadores.

Neopaganismo

É um movimento moderno de resgate das vivências espirituais pagãs descritas acima. Com a inquisição durante a idade média, e a perseguição perante os povos que seguiam antiga religião, muito dos praticantes começaram a realizar esses cultos longe dos olhos dos cristãos. Muito desses costumes acabaram se perdendo perante grande perseguição, o neopaganismo busca resgatar essas vivências espirituais, adaptando essas práticas a vida urbana que vivemos atualmente.

Bruxaria

A bruxaria é um caminho espiritual pagão, podemos consider-lá uma filosofia de vida que preza pela vida e o respeito a natureza, compreendendo seus ciclos e observando o todo como uma manifestação do sagrado. Muitos derivam sua origem da Europa antiga e do período neolítico, o homem desconhecia seu papel na geração, a mulher era a fonte primordial da criação, ela teria a capacidade de gerar o bem mias precioso, a vida. Ou seja, a bruxaria é uma religião com o berço matriarcal, era observado que tudo nascia, se desenvolvia e morria, sendo consumido pela terra. Dessa forma a terra foi vista como a grande mãe, a Deusa dona da vida e da morte, a energia primordial que provinha a manutenção da vida. Ela dava o alimento, a proteção, o carinho e todas as dádivas do universo, por isso nossos ancestrais cultuavam tudo que era vivo de uma forma sagrada, pois tudo era a manifestação da Grande Mãe.

Vale a pena lembrar que esses cultos foram se desenvolvendo assim como a humanidade mudava. Durante este período várias tradições mágicas e cultos foram surgindo, eu te aconselho a pesquisar melhor sobre a bruxaria e depois de certo tempo se dedicando a isso você vai sentir qual tradição é a sua. Ou você pode sentir de seguir um culto solitário a Deusa, muitas pessoas não tem acesso a covens ou grupos de bruxaria e isso é totalmente normal. Veja e avalie suas opções, com o tempo a Deusa te guiará ao caminho certo.

Cena do filme – “As Brumas de Avalon”

A Deusa e o Deus da Bruxaria

O Deus e a Deusa

“Todas as Deusas são uma só Deusa, todos os Deuses são um só Deus.”

A natureza é dual, formada pelo feminino e o masculino. Assim como a vida, os deuses também possuem este aspecto dual, nos mostrando o quanto o Sagrado feminino e o Sagrado masculino estão dentro de nós. Os antigos acreditavam nessa força e na união dessas duas deidades principais a qual chamamos de Deusa e Deus, e é do amor da Deusa e do Deusa que a vida segue, que a roda gira e que o ano passa.

Ela é a Senhora da Vida, mas Ele é o Portador da Luz; Ela é o ventre, Ele o falo ereto; Ela gera a vida, Ele é a faísca que inicia o processo, em plena harmonia, sem predomínios nem competições, mas pela completa união… Ambos parceiros no desenrolar da música e dança que criam e recriam o universo ainda hoje… Na Primavera Ela é a Donzela, Ele o Deus Azul do Amor… No verão ela é a Mãe, grávida, ele o Galhudo, o Deus da Vegetação e dos Animais, Cernnunnos… No outono ele desce para o Mundo Subterrâneo, como o Deus Negro do Mundo Inferior, do sacrifício e da Morte e Ela a Anciã que abre os portais e o acolhe durante sua transmutação. No inverno ele renasce do próprio ventre escuro da Deusa, que quase torna, assim, a um só tempo, sua consorte e sua mãe… O Deus Cornífero realmente é deixado de lado muitas vezes nos cultos pagãos, como se a energia da Deusa pedisse essa dedicação exclusiva. Isto é verdade em parte, porque, não é possível cultuar o Deus adequadamente enquanto não mergulharmos na Deusa e nos despirmos do Deus do patriarcado. Quando no curso de nosso caminho – e isso demora até anos (mas vaira muito de pessoa para pessoa) – está na hora do Deus voltar, a própria Deusa nos mostra seu Filho, Consorte, Defensor, Ancião. O Deus aparece, tríplice como a Deusa. O Deus Jovem é, antes de tudo, a Criança da promessa, a semente do sol no meio da escuridão. Depois, é o Garoto do Pólen, o fertilizador em sua face mais juvenil, e traz a energia da alegria de viver, o poder de se maravilhar ante as descobertas da vida, é o experimentador, a face mais sorridente do sol matinal. Daí surge o Deus Azul do Amor, o rapaz que cresceu e chegou na adolescência e desabrocha em beleza e masculinidade, é o Jovem Deus da Primavera, percorre as Florestas e acorda a natureza. Ele é o Apaixonado, aquele que primeiro busca a Deusa como a Donzela e propicia o encontro… Ele é o Deus da sedução ainda inocente, que não conhece os mistérios da Senhora ainda… ele é toda possibilidade. Depois ele é o Galhudo e o Green Man… O Deus é o macho na sua plenitude, O Senhor dos Chifres que desbancou o gamo-rei anterior, ele é força e poder, músculos e vitalidade, ele cheira a sexo e promessas. Ele é o Grande Amante, atraído irresistivelmente pela Senhora ele é o Provedor, o Sustentador, o Senhor Defensor. Ele é o Senhor das Coisas Selvagens, o Deus da Dança da Vida, O Falo Ereto, O Fertilizador. Como Green Man ele também é o Senhor da Terra e sua abundância, o parceiro da Senhora dos Grãos. O Senhor dos Brotos, aquele que cuida dos frutos e os distribui pela terra. Mas o Deus é também O Trapaceiro, o Senhor da Embriaguez, o Desafiador e o Ancião da Justiça. Ele nos faz seguir um caminho e nos perdemos para conhecer o pânico de Pan… ele nos deixa loucos como Dionísio, ou perdidos nos devaneios de Netuno… ele é o Desafiador, seja nos duelos, seja na guerra, na luta pela sobrevivência… ele é caprichoso e insidioso, ele nos engana, nos deixa desesperados e sorri – porque esse é seu papel; estimular o novo, mostrar que nosso desespero é inútil e só nos escraviza… Como a Deusa, Ele está na fome e no fim da fome, na vida e na doença terminal, na luz e na sombra, no que é bom para você e no que é mau… A Deusa nunca está só, ela tem sua contraparte masculina e, no entanto, Ele só existe por amor a Ela… alias, todos nós somos fruto dessa dança de amor. O Deus é o Ancião sábio, o distribuidor da Justiça, seja a que se impõe com sabedoria ou raios… Ele conhece os segredos dos oráculos, mas sabe que são Dela… ele é o repositório do conhecimento, mas a sabedoria é Dela… ele lê os sinais da natureza, mas sabe que quem os escreve é Ela. E o velho sábio vai murchando e se transforma no Senhor da Morte… ele que é o Senhor de Dois Mundos, pois no ventre dela, de volta, ele vive sua morte e a própria ressurreição. Mistério e segredo, morte e retorno, Ele é o que atravessa os portais dos quais Ela é a Senhora.

A Roda do Ano

A Roda do Ano – Hemisfério Sul

A Roda do Ano é um calendário pagão onde se observa Oito Celebrações marcando períodos importantes pelos quais a natureza passa, essas celebrações são denonimadas “Sabbat” que significa “festejar”, ou seja, são ritos de de comemoração aos ciclos naturais, partindo da vida ao renascimento da natureza. Baseada no calendário da cultura Celta que é tanto diferente do atual. A Roda do Ano se tornou muito popular dentro da arte da Bruxaria. Os antigos pagãos não viam o tempo de forma linear, mas circular, de forma cíclica, sempre nos mostrando as fases da vida.

Seus calendários levavam em conta não só o ciclo solar, mas também o ciclo lunar. A Roda do Ano representa o ciclo da vida, morte e renascimento. Representa o fluxo constante de energia primordial que vibra em nós, através dela acompanhamos a trajetória do Deus e sua íntima relação com a Deusa representado nos Sabbats. As festividades costumam ser feitas ao redor de fogueiras, com muita comida, dança e alegria. Cada uma delas com um propósito e significado específico. Atualmente é comum montar um altar e realizar as celebrações ao seu redor, muitos praticantes comemoram estas celebrações em casa, você pode ainda participar de ritos maiores com várias pessoas, assim como nos tempos antigos, fica a seu critério. Além disso, na roda do ano observamos o ciclo de vida e renascimento da natureza no decorrer das estações, é quando agradecemos aos Deuses pela primavera e seus frutos, ao verão e o calor que vem com ele, ao outono pelo período de recolhimento e auto conhecimento, e ao inverno pela oportunidade de encararmos nossas sombras.

Nada mais é que a jornada que a terra leva para dar em torno do sol, sendo reconhecida através de um calendário/mitologia a qual chamamos de Roda do Ano. É a forma como enxergamos os ciclos pelos quais passamos no decorrer de um ano,

Como são organizados os Sabbats?

Os Sabbats tem uma diferença de data de comemoração de acordo com o hemisfério, pois, quando no hemisfério sul começa o verão, no hemisfério norte está começando o inverno. Com isso Muitas pessoas têm dúvidas de qual Sabbat comemorar, você pode seguir a roda do ano do Hemisfério Sul ou Norte, fica a sua escolha dependendo de qual local do globo você está localizado.

Mito da Roda do Ano

Beltane é a união da Deusa com o Deus Cornífero, jovens e apaixonados eles vibram amor, desejo e sexualidade, nesse momento o Deus engravida a Deusa. Em Litha, o sol está em seu ápice e o Deus está pleno de brilho e poder, onde comemoramos e vibramos o vigor do sol. Em Lammas, o Deus começa a descer para o submundo durante este período é comemorado a primeira colheita. Em Mabon, o Deus começa a enfraquecer e notamos isso ao olhar para a natureza, neste momento as folhas caem e o frio começa a dar indícios sobre os períodos que estão por vir, durante Mabon é comemorado a segunda colheita. Em Sanhaim, o Deus morre e renasce no útero de Deusa que havia sido fertilizado em Beltane, durante este período o véu entre os mundos é tênue, é quando honramos nossos ancestrais e observamos o adormecer da mãe terra. Em Yule, a Deusa em sua face mãe dá a luz ao Deus, a criança da promessa volta a terra, garantindo a manutenção da vida e da natureza. Em Imbolc, comemoramos a volta da luz a terra, é um momento de iluminação e purificação para os momentos bons que estão por vir. Em Ostara, a Deusa e o Deus deixam de ser mãe e filho, e se transformam em consortes apaixonados, que logo irão gerar a vida em Beltane, dessa forma a Roda continua girando em vida, plenitude e amor.

Beltane

Beltane

BELTANE, Hemisfério Sul: 31 de outubro e Hemisfério Norte: 30 de Maio.

Representa a entrada do jovem Deus para a idade adulta. Incitados pelas energias da Natureza, pela força das sementes e flores que desabrocham, a Deusa e o Deus apaixonam-se. Nesta data são celebrados rituais de fertilidade e imensas fogueiras são acesas. As fogueiras de Beltane simbolizam o calor da paixão e a intensidade da interação entre a Deusa e o Deus, e a crescente fecundidade da Terra.

Correspondências de Beltane:
– Cor: verde, rosa e vermelho;
– Ervas: sangue-de-dragão, samambaia, cogumelos;
– Pedras: malaquita, quartzo rosa, turmalina,
quartzo verde, amazonita;

Atividades:
– Pular fogueira de Beltane; Guardar as cinzas da fogueira para utilizar em encantamentos
de fertilidade; Fazer guirlandas para serem colocadas nas cabeças durante o rito;

Comidas e Bebidas:
– Bolo de cereais; Saladas; Tortas; Bolos; Vinho; Sucos

Litha

LITHA, Hemisfério Sul: 21 de Dezembro e Hemisfério Norte: 21 de Maio.

É celebrado quando o poder e a força da Natureza chegam ao seu ponto mais alto. A Terra está repleta e abundante com a fertilidade da Deusa e do Deus. Mais uma vez, são acesas fogueiras homenageando a energia do Sol, que atinge seu ápice: esta é a noite mais curta e o dia mais longo do ano.

Correspondências de Litha:
– Cores: laranja, amarelo, verde, azul e branco;
– Ervas: sálvia, menta, alecrim, tomilho, samambaia,
verbena,anis estrelado;
– Pedras: rubi, conchas do mar, quartzo branco,
citrino

Atividades:
Pular uma fogueira, um caldeirão com chamas ou vela; Pintar runas e outros símbolos mágicos para proteção; Colher ou comprar ervas e pedras; Fazer uma varinha.

Comidas e Bebidas:
– Frutas; Vegetais frescos; Patê de ervas; Pães de cereais; Vinho; Cerveja; Água.

Lammas

LAMMAS, Hemisfério Sul: 2 de fevereiro e Hemisfério Norte: 2 de Agosto.

É a época da primeira colheita, quando as sementes plantadas na Primavera dão os primeiros frutos ou geram outras sementes que vão assegurar os resultados futuros. Mas o Deus começa a perder sua força e, assim, os dias começam a ficar mais curtos e as noites mais longas.

Correspondências de Lammas:
– Cores: marrom, laranja, vermelho e amarelo;
– Ervas: flor de trevo, arroz, alho, trigo, cebola,
manjericão, calêndula
– Pedras: olho-de-gato, citrino

Atividades:
– Fazer pão de Lammas; Fazer velas ; Coletar água da chuva para uso de feitiços e
potencializar objetos mágicos; Criar e enterrar uma garrafa de bruxa;

Comidas e Bebidas
– Ervas frescas; Frutas e vegetais; Pão de milho; Amoras pretas; Tortas; Sidra; Vinho de pétalas de rosas.

Mabon

MABON, Hemisfério Sul: 21 de março e Hemisfério Norte: 21 de Setembro.

Representa a plenitude da colheita iniciada em Lammas. Mais uma vez, o dia e a noite têm uma duração igual. A Natureza começa a declinar, preparando-se para o Samhain que se aproxima, preparando-se novamente para o Inverno, a época do recolhimento… e para um novo ciclo que começa.

Correspondências de Mabon:
– Cores: marrom, verde, amarelo e vermelho;
– Ervas: alecrim, calêndula, sálvia, folhas e cascas,
camomila, girassol, trigo, folhas de carvalho, maça
ou semente de maçã;
– Pedras: citrino, topázio amarelo, olho de gato,

Atividades
– Fazer vassouras mágicas; Fazer amuletos; Encher uma tigela com frutas e folhas e
oferecer aos deuses.

Comidas e Bebidas
– Abóboras; Todos os tipos de grãos; Pães; Bolos; Todos os tipos de raízes Batatas; Nozes;
– Sidra com canela e vinho.

Samhain

Samhain

SAMHAIN, Hemisfério Sul: 1º de maio e Hemisfério Norte: 31 de Outubro.

Este Sabbat marca o início, o prenúncio da estação da morte: o Inverno. Representa a morte simbólica do Deus e, na Natureza, a estação menos fértil – a Deusa está sem seu consorte! O Samhain também era a antiga festa celta dos mortos. Na tradição céltica, o Samhain era a noite da morte e da ressurreição: os mortos precisavam esperar até esta data para fazer a travessia para o “País do Verão”, onde a esperança de uma nova vida os aguardava – por isso, na Bruxaria, esta é a época em que e sabe que os véus entre os mundos ficam mais tênues. É um tempo de reflexão, de olhar para o que foi feito no ano anterior, e uma época de lembrar os antes queridos que já foram para outros planos.

Correspondências de Samhain:
– Cores: Preto e laranja;
– Ervas: Nós moscada, sálvia, menta, mirra, patchuli, artemísia, alecrim, musgo, calêndula,
louro, mandrágora;
– Pedras : Obsidiana, ônix, cornalina, turmalina negra, âmbar, granada, hematita.

Atividades:
– Fazer oferendas de maçãs e pães no jardim aos ancestrais;
– Adivinhação através do tarot, das Runas, da bola de cristal, da vidência em espelho
negro e caldeirões com água;
– Confeccionar vassouras;
– Confeccionar uma varinha mágica;
– Colocar a foto de seus ancestrais em seu altar.

Comidas e Bebidas:
– Maçã; Romã; Nozes; Cidra; Vinho quente; Abóbora; Chá de ervas; Batata.

Yule

Yule

YULE, Hemisfério Sul: 21 de Junho e Hemisfério Norte: 21 de Dezembro.

Celebrado na noite do Solstício de Inverno. Uma vez que nesta data ocorrem a noite mais longa e o dia mais curto do ano, e sendo o Sol uma das representações do Deus, o Yule marca a época do ano em que o Deus renasce – porque, a partir do Solstício, as noites ficarão progressivamente mais curtas, e os dias (a presença do Sol) mais longos.

Correspondências de Yule:
– Cores: vermelho, verde, dourado e branco
– Ervas: alecrim, hibisco, cedro, louro.
– Pedras: Rubi, granada, olho de gato.

Atividades:
– Contar com a família; Decorar a árvore de Yule; Tocar sinos para homenagear as fadas;
– Colocar guirlandas na porta de casa; Espalhar hibisco pela casa;

Comidas e Bebidas
– Bolos de frutas; nozes; pães; vinho quente e normal; maçãs; doce de abóbora.

Imbolc

Imbolc

IMBOLC, Hemisfério Sul: 2 de agosto e Hemisfério Norte: 2 de Fevereiro

É um Sabbat de purificação depois das privações do Inverno. É uma época de celebração ao calor que aquece a Terra através do poder renovado do Sol, que renasceu da Deusa no Yule. Os dias são mais longos e o início da Primavera pode ser sentido na Natureza, que parece se espreguiçar. É um festival de fogo, luz e fertilidade, em que as fogueiras e muitas velas são acesas, representando tanto a nossa própria iluminação pessoal quanto a luz e o calor que estão aumentando.

Correspondências de Imbolc:
– Cores: Vermelho, laranja e branco
– Ervas: Sálvia, calêndula, manjericão, verbena, mirra.
– Pedras: Citrino, turmalina negra, turmalina verde,
hematita, ágata vermelha e topázio

Atividades:
Queimar todos os enfeites de Yule; Fazer uma roda de velas; Pendurar uma cruz de Brigit
na porta de casa

Comidas e Bebidas:
– Bolos de frutas; Tortas de maçãs; Pães; Vinho; Todos os tipos de chás

Ostara

Ostara

OSTARA, marca o primeiro dia da Primavera. Hemisfério Sul: 21 de Setembro e Hemisfério Norte: 21 de Março.

As energias da Natureza sutilmente emergem do sono em que estiveram mergulhadas durante o Inverno. A Deusa cobre a Terra de promessas de fertilidade, enquanto o Deus – renascido no Yule – começa a passar da infância para a maturidade. Em Ostara, a duração da noite e do dia são iguais. A luz começa a vencer a escuridão; o crescimento do Deus e a receptividade da Deusa inspiram as criaturas na Terra a se reproduzir. É a época de iniciar, de agir, de plantar as sementes para o futuro.

Correspondências de Ostara:
– Cores: verde, amarelo, branco;
– Ervas: lavanda, manjerona, alecrim, violetas,
limão, rosas, açafrão, narciso, tulipa, cravos.
– Pedras: quartzo branco, quartzo rosa, ágata,

Atividades:
Colher flores. Enfeitar toda a casa com elas, Colorir ovos e enfeitá-los com símbolos de fertilidade, Fazer um Jardim.

Comidas e Bebidas:
– Ovos; Cremes; Pães; Saladas; Bolos de mel; Vinho; Ponche;

A Magia das Luas

Quando entramos em contato com cada fase da lua e realizamos seu rituais sagrados podemos despertar cada face da deusa em nosso ser. Estar alinhado a esses ciclos é também estar alinhado a energia ancestral do universo, fluindo em comunhão com a sagrado. As fases da Lua também influenciam magicamente para determinadas finalidades! Não é recomendável, por exemplo, fazer magia para crescimento em uma Lua Minguante, pois é a fase da Lua que ceifa. Abaixo um resumo de cada fase e seu uso na magia.

Lua Nova Início de planos,
Planejamento,
Criatividade,
Reflexão,
Preparação,
Organização,
Meditação.

Lua Crescente Começo de ciclos,
Criação/Expansão,
Fortalecimento,
Materialização,
Criatividade,
Beleza,
Coragem.

Lua Cheia Fertilidade,
Amor,
Beleza,
Prosperidade,
Intuição,
Poder,
Proteção.

Lua Minguante Banimento,
Términos,
Final de ciclos,
Sabedoria,
Conhecimento,
Afastamento,
Reflexão.

Os Elementos e os Elementais

Espíríto/éter: É o Cosmos, O Universo, A enrgia invisível. A luz primordial que deu origem a tudo, princípio etérico. Sem o éter nada existiria, pois ele quem da origem aos outros elementos, seria a mais pura energia dos Deuses.

Água: Representa nossos sentimentos e emoções, amor e vida. Tem magnetismo de transformação e capacidade diluir.
Sensibilidade, interiorização.
Elementais: Ondinas e Sereias

Fogo: Representa a chama da vida, o calor e a transformação. A força e o desejo dentro de nós. Intuição, proteção e ação.
Elementais: Salamandras

Terra: Representa a estabilidade, saúde, prosperidade e nossos caminhos. É o elemento que ativa nossa energia interna para a realização e concretização.
Elementais: Gnomos e Duendes

Ar: Representa nossos pensamentos e todas as ideais que pairam em nossa mente, também está relacionado a nossa comunicação. Elementais: Fadas e Elfos

Altar

O Altar é um espaço sagrado, é o ponto de conexão do praticante com os deuses. Alguns bruxos têm o costume de montar o Altar poucos antes de realizar rituais, guardando logo após os instrumentos. Outros preferem montar um Altar fixo sobre uma mesa, um aparador ou cômoda, o que fica a critério de cada um, lembre-se de sempre deixar representado em seu altar a energia dos 4 elementos. O local mais apropriado é aquele que você se identifica, sente paz, amor e magia.

Cálice: Representa o elemento água e o útero da deusa, logo tem um grande poder de geração. Nele você pode colocar água, vinho, sucos e afins. Tudo depende da intenção do ritual que está sendo realizado.

Velas: Representa o elemento fogo e a realização de nossos desejos, há séculos o fogo é utilizado em diversas tradições, sendo que em algumas o seu predomínio e central. As cores de cada vela depende de qual tipo de energia você deseja canalizar.

Incenso: Representando o elemento ar e seus elementais, o incenso trás aromas contribuindo para criar um espaço ritualístico. Existe uma antiga crença de que sua fumaça envia nossos pedidos ao mundo dos deuses.

Caldeirão: Outro símbolo do útero da Deusa, tudo o que é ali colocado é transformado. O caldeirão detém os segredos da vida, a maioria das bruxas possui um cadeirão para feitiços e outro para poções.

Vassoura: Representa união da Deusa e do Deus, o falo é o cabo e o útero representado pela base. Dentro das tradições mágicas a vassoura é utilizada para limpar anergia de ambientes, garantindo a harmonia para aqueles nele estão.

Sino: Seu som representa o éter, utilizado para dar início e encerramento aos rituais sagrados. Antigas lendas contam que o barulho emitido pelo sino seria capaz de afugentar os maus espíritos

Os Cristais

Os cristais são utilizados há muito tempo, em diversas técnicas de terapia e feitiços, além de conter na forma mais pura, as cores que são necessárias para nosso equilíbrio físico, biológico e espiritual. A energia os cristais emanam é uma composição dos elementos da natureza e do seu poder mineral. Abaixo você encontra 6 cristais indispensáveis para o início de suas práticas na bruxaria

Fonte: @esoteriando

Ervas

As ervas são usadas desde o desenvolvimento da humanidade, cada uma possui propriedades específicas que de =vem ser estudadas e utilizadas com muita cautela, algumas podem ser venenosas e causar danos a nossa saúde. Mas a grande maioria disponível nas lojas e mercados são boas, sempre confira e procure informações sobre cada erva, ainda mais se elas forem para ser ingeridas ou para entrar em contato com a pele.

Depois de ler tudo isso você pode ter uma pequena base de como começar a estudar a arte da bruxaria, lembrando que o que coloquei aqui é só o básico do básico. Nos próximos posts vou aprofundar os conhecimentos sobre Magia Lunar, Oráculos, Ervas, Cosmogonia, Magia Planetária e muitooo mais. 

Se você quiser mais conteúdo sobre bruxaria e dicas sobre a magia, segue a gente no Instagram, dá uma força para este trabalho continuar ajudando cada vez mais pessoas. 

Que a Deusa abençoe nossos caminhos !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *